O senador Vanderlan disse que está à disposição e todos vão unir forças para concluir obras do Hospital Regional de Águas Lindas de Goiás  


Foto: Leandro Arantes.

Em visita ao município de Águas Lindas de Goiás, no entorno do Distrito Federal, o senador Vanderlan Cardoso (PSD-GO), visitou a estrutura do Hospital Regional da cidade, em construção há mais de 15 anos. Vanderlan afirmou que a finalização da unidade de saúde é imprescindível e que vai buscar apoio junto à bancada federal para ajudar a finalizar a obra.

"Nossa bancada federal goiana é unida e forte e vou buscar ajuda para que possamos finalizar, o quanto antes, a obra desse hospital tão importante para a população do município e do entorno. Também vamos estudar com atenção a solicitação do prefeito, Dr. Lucas, para construção da Maternidade. Coloco-me à disposição do governador, Ronaldo Caiado, do secretário estadual de saúde e da Goinfra para traçarmos um planejamento com objetivo de resolvermos essa questão", disse o senador.

Com cerca de 250 mil habitantes, Águas Lindas de Goiás é o quinto município mais populoso do Estado de Goiás e, por duas vezes, viu empresas abandonarem as obras do hospital. "Isso é inadmissível. Já é a segunda empresa que abandona a obra do Hospital Regional de Águas Lindas e isso tem ocorrido em todo país. Uma das causas  é a alta abusiva dos preços do aço e de outras matérias-primas que chegaram a subir 140%. Estamos debatendo esse assunto na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, a qual sou vice-presidente", explicou.

Para o prefeito, Dr. Lucas de Santa Mônica, estreitar laços com a bancada federal é primordial para o desenvolvimento do município. "Somos um município populoso e tanto a conclusão do hospital como a construção da maternidade são as nossas demandas mais urgentes. Só conseguimos trazer desenvolvimento para o município através de recurso federal, por isso, sou muito grato pela disponibilidade do senador Vanderlan aqui com a gente", disse o prefeito.

Cartório - Durante a visita, Vanderlan anunciou a destinação de uma motoniveladora ao município e disse que vai analisar outras demandas. "Recebemos a informação que a cidade possui apenas um cartório para atender toda a população, por isso, os vereadores solicitam a instalação de mais duas unidades, cartório de notas e registro civil. Vamos buscar ajuda para resolver essa questão também. Gosto de fazer política dessa forma, conhecendo de perto as maiores necessidades de cada região", finalizou Vanderlan.



Sancionada pelo governador Ibaneis Rocha e publicada no Diário Oficial do Distrito Federal- DODF, nesta sexta-feira (30) a Lei nº 6.840/20, proposta pelo deputado Martins Machado (Republicanos), que possibilita a expedição de medidas protetivas por meio da Delegacia Eletrônica, enquanto durar o isolamento social causado pela pandemia de Covid-19

Fotos: Renato Alves.

De acordo com a proposição apresentada, às mulheres, crianças, idosos e pessoas com deficiência poderão registrar Boletim de Ocorrência e solicitar medidas protetivas de urgência pelo site da delegacia. Audiências relativas às denúncias também serão realizadas, preferencialmente, por canais virtuais ou telefônicos.

O parlamentar afirmou que há uma necessidade de melhorar a acessibilidade do processo durante a quarentena. "Infelizmente, o isolamento social em virtude da Covid-19 trouxe dificuldades para todas as pessoas. Mas, há grupos que têm sentido a violência no ambiente doméstico e familiar, causando fortemente um efeito negativo tanto no físico e mental provocando vários danos. Nosso objetivo com a lei é facilitar a forma de denunciar essa covardia", declarou Martins Machado.



O  Complexo Hospitalar Centro-Sul deixa de ser um sonho do deputado distrital Delmasso (Republicanos), morador do Guará, e passa a ser oficialmente absorvido pelo Governo do Distrito Federal.  A Secretaria de Projetos Especiais (Sempe) publicou hoje (30) no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) o edital de chamamento público para que empresas manifestem interesse em realizar estudos para a implantação e gestão do Complexo Hospitalar da Região de Saúde Centro-Sul




O deputado Delmasso (Republicanos) solicitou em (17/03/2021) a inclusão do edital de chamamento público, na pauta da reunião do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas (PPP), da construção do Complexo Hospitalar da Região de Saúde Centro-Sul, o novo hospital do Guará. "Pedi à Secretaria de Projetos Especiais do Distrito Federal para que o assunto seja debatido, pois o projeto arquitetônico já está praticamente concluído, faltando detalhes do projeto executivo", observou.
 
A proposta de construção, aparelhamento, gestão e operação dos serviços médico-hospitalares da unidade foi apresentada pela Secretaria de Saúde do DF para reduzir o déficit no atendimento hospitalar da rede pública e promover acesso ao atendimento para os moradores do Guará I e II, Park Way, SCIA/Estrutural, SIA, Candangolândia, Núcleo Bandeirante e Riacho Fundo I e II.

Para iniciar o projeto, Delmasso destinou ainda em 2019, no orçamento de 2020, o valor de R$ 1,5 milhão em emendas parlamentares que foram alocados para os projetos arquitetônicos e complementares do hospital, que envolvem a parte elétrica, hidráulica, segurança hospitalar, entre outros serviços. "O novo hospital do Guará será um marco não só para a cidade, mas para o DF, com uma arquitetura arrojada e moderna seguindo os parâmetros utilizados em grandes redes hospitalares, como a Rede Sarah, em Brasília", garante o deputado padrinho da iniciativa.
 
"A construção do Hospital Centro Sul vai beneficiar uma população de mais de 370 mil pessoas, que hoje é atendida apenas pelo Hospital Regional do Guará. Isso também vai ajudar todo o Distrito Federal.", analisou o Secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

 O Complexo Hospitalar deverá ocupar uma área de 70 mil metros quadrados no Guará e vai ampliar a oferta de especialidades médicas, serviços de diagnóstico e terapia. Disponibilizar leitos de terapia intensiva adulto e pediátricos.

 "Vamos ampliar a oferta de leitos para internação e incluir especialidades médicas que atualmente são apenas ofertadas em outros hospitais de maior porte", salientou Okumoto.

A unidade, de acordo com estudos preliminares do GDF, deverá ser composta por um bloco hospitalar e um bloco ambulatorial (Policlínica, Centro de Apoio Diagnóstico, Central de Exames e Central de Laudos de Radiologia. A expectativa é de que sejam criados  cerca de 400 leitos de internação, UTI adulto, diálise, pronto socorro e neonatologia.

Parceria Público-Privada
Nessa primeira fase do projeto, que é o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), as empresas interessadas devem apresentar, até o dia 1º de junho, a documentação necessária para serem autorizadas a desenvolver os estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica.

A estruturação da proposta fica a cargo da Secretaria de Projetos Especiais que, em parceria com a Secretaria de Saúde, vai viabilizar a concepção do projeto.

 "A área de saúde é muito sensível, e o governador Ibaneis Rocha tem buscado todas as alternativas para viabilizar essa área. Por isso, uma Parceria Público-Privada, vai ser primordial para que esse projeto possa ser realizado. Estamos priorizando essa PPP, mas é claro, sem deixar de seguir com as outras parcerias em andamento pela secretaria", comentou o Secretário de Projetos Especiais, Roberto Andrade.

As empresas terão quatro meses para desenvolver os estudos, que serão apresentados em consulta e audiências públicas. Quem fará a licitação do Complexo Hospitalar será a Secretaria de Saúde.

Documentação
Os interessados poderão entregar os requerimentos de autorização para realização dos estudos até o dia 1º de junho de 2021, das 08h às 18h, no endereço: Praça do Buriti, Zona Cívico-Administrativa, Palácio do Buriti, sala P50, Gabinete da Secretaria de Estado de Projetos Especiais, Brasília, mediante protocolo.

Também poderão ser enviadas para protocolo.casacivil@buriti.df.gov.br, com cópia para sepe.gab@buriti.df.gov.br, sem limitação de horário.



Para consultar os documentos necessários e o edital do Procedimento de Manifestação de Interesse é só entrar no site da Sepe.

Ainda sofrendo as consequências em decorrência da pandemia do coronavírus, muitas empresas acabam tendo que fazer um planejamento geral para poder continuar gerando lucro. Não só problemas relacionados ao vírus, entretanto, com quase um ano de hiato, as corporações tiveram que lidar com várias situações de uma vez só.

Uma delas, se refere à comunicação interpessoal. Com o nosso mundo globalizado, esse é o século em que as gerações mais sofreram diferenças. Uma pessoa de 40 anos, atualmente, tem muita dificuldade em se relacionar com uma de 18, por exemplo. Houve um crescimento gigantesco quanto às tecnologias que colocou um marco entre um período de tempo e outro.

Segundo Paulo Dalla Stella, coach profissional, “dentro de um ambiente organizacional, pessoas da geração “Baby Boomer” nascidos entre os anos de 1946 e 1964 convivem ainda atualmente com membros da geração Z, formada de jovens nascidos entre 1995 e 2010. Por conta das mudanças comportamentais destes jovens causada em conexão com mudanças radicais e exponenciais em tecnologia nas últimas décadas, o convívio entre estas diferentes gerações marcadas principalmente pelas diferenças em expectativas e percepção do mundo como um todo, vem causando conflitos dentro das empresas que, se não atendidos, poderão ao fim afetar o lucro dessas corporações”.

Para lidar com essas relações mal definidas, é importante colocar em pauta algumas habilidades de convívio. O Soft Skills é um termo que  pode ser traduzido como “habilidades sociais” e representa aquele conjunto de habilidades específicas em relacionamentos com outras pessoas que garantem um ambiente de trabalho e ou de interação social leve, marcado por cooperação entre seus membros e livre de discórdia e competição desnecessária.

Podendo também ser definido como habilidades inter-relacionais, colocar em prática os Soft Skills envolve um alto grau de inteligência emocional. Através de conhecimento de si próprio e empatia com terceiros, com ele é possível garantir sucesso nas relações interpessoais. “Uma boa interação entre os colaboradores de uma empresa, independente da idade, reflete em bons resultados para a marca”, explica o especialista.

As diferenças de comportamento de diferentes gerações dentro de uma empresa não surgem lá. Esses modos de ação entre um e outro grupo de determinada idade ocorrem no dia a dia em diversas situações. Mesmo dentro de casa, pais e filhos têm uma grande defasagem no que se refere à uma comunicação assertiva. “Levar isso para o ambiente de trabalho pode não só gerar problemas pessoais entre um e outro colaborador, mas também gerar prejuízos à própria empresa”, ressalta Paulo. 

O treinamento de soft skills empregado às empresas visa ajudar tanto membros de gerações mais antigas quanto o de gerações novas. Com essa mentoria, ambos aprendem a conviver uns com os outros, a nivelar expectativas de desempenho dentro das empresas e a garantindo assim o bem estar geral, já que propicia situações positivas e lucro para as empresas.

Um problema de comunicação organizacional pode ser um problema grave em uma corporação. “Colocar em pauta o bem estar dos empregados, para a empresa, é priorizar a produtividade. Com profissionais que se relacionam bem, tempo é poupado e, com isso, dinheiro também”, finaliza.

Paulo Dalla Stella
Stellar Consultoria ltda.
Fone / Whats: (41) 99748-7247
Email: 
pdallastella@hotmail.com
Facebook: Paulo dalla stella
Instagram: 
@paulodallastela
Likedin: Paulo Dalla Stella

Site: http://www.paulodallastella.com.br 




O prazo de inscrições para os cursos gratuitos de qualificação profissional do Senac-DF termina nesta sexta-feira (30). O 10º edital do Programa Senac de Gratuidade (PSG) disponibilizou 4.400 vagas em 79 cursos técnicos e de formação inicial e continuada nas áreas de Beleza, Saúde, Gestão e Negócios, Gastronomia, Informática, Turismo e Lazer, Moda e Comunicação


Fotos: Silvia Melo

Desse total, até a manhã desta quinta-feira, ainda restavam pouco mais de 1,3 mil vagas para cadastro reserva em alguns cursos de formação inicial e continuada. As vagas dos cursos técnicos foram todas preenchidas. A inscrição deve ser feita no site df.senac.br/psg/#/consulta-de-vagas, onde também está disponível o edital. Cada candidato poderá se matricular em até dois cursos, desde que sejam realizados em turnos diferentes.

As turmas ofertadas serão desenvolvidas na modalidade presencial nas unidades de Taguatinga, Gama, Ceilândia, Setor Comercial Sul (TTH e Jessé Freire), 903 Sul, Sobradinho e Ações Móveis (entidades parceiras). Porém, enquanto o Senac-DF constatar que há a necessidade de adoção de medidas necessárias para conter a pandemia do novo coronavírus, as atividades educacionais serão desenvolvidas com apoio de recursos tecnológicos (atendimento remoto), e/ou com atividades flexíveis entre presencial e remoto conforme protocolos internos.

Para participar dos cursos do Programa Senac de Gratuidade é necessário possuir renda familiar per capita de até dois salários-mínimos; ter idade igual ou superior à idade mínima exigida para acesso ao curso; ter a escolaridade exigida para o curso escolhido; e não ter evadido ou desistido de outro curso PSG, com prazo igual ou inferior a um ano da data de evasão ou desistência.

A classificação dos inscritos obedecerá aos seguintes critérios: atendimento aos requisitos de acesso, ordem de inscrição e quantidade de vagas ofertadas no curso escolhido. O resultado da classificação será divulgado no dia 14 de maio no site do Senac-DF (df.senac.br/psg/#/consulta-de-vagas). As aulas terão início nos meses de junho e julho.

Alguns dos cursos livres (formação inicial, aperfeiçoamento ou atualização) que ainda possuem vagas disponíveis ou cadastro reserva são: Açougueiro, Administração em Serviços Hospitalares, Administrador de Banco de Dados, Análise em Faturamento de Serviço de Saúde, Assistente de Pessoal, Assistente de Secretaria Escolar, Assistente de Logística, Assistente de Secretaria, Agente de Alimentação Escolar, Atualização no Tratamento de Feridas e Curativos, Barbeiro, Bares e Restaurantes: Gestão Operacional, Boas Práticas para Serviços de Alimentação, Branding e Marketing de Moda, Cabeleireiro, Camareira(o), Confeiteiro, Congelamento de Alimentos, Consultoria de Estilo – Personal Stylist, Consultoria de Imagem, Costureiro, Depilação Masculina, Design de Sobrancelhas, E-Commerce: Vendendo no Comércio Eletrônico, Especialização Técnica em Oncologia, Faturamento em Serviços de Saúde, Front-End: HTML, CSS, Bootstrap, JL e JQuery, Garçom, Garde Manger, Gestão de Condomínio, Maquiador, Modelista, Operador de Computador, Organizador de Eventos, Padeiro, Pizzaiolo, Recepção em Serviços de Saúde, Técnicas Básicas para Cozinheiro, Técnicas de Petiscos e Comida de Boteco, Vendedor e Vitrinismo e Visual Merchandising para Varejo de Moda.


A castrense Aline Sleutjes, uma das parlamentares mais respeitadas em Brasília, presidente da Comissão de Agricultura e vice-líder do governo no Congresso Nacional, continua seu trabalho árduo pelo desenvolvimento do estado do Paraná, pelo Agro e pelo Brasil



Castro
O município de Castro, sua cidade natal, a Câmara Municipal referendou, por meio do termo de colaboração, a emenda parlamentar da deputada federal Aline Sleutjes para o Asilo São Vicente de Paulo no valor de R$ 100 mil reais. Ao todo, mais de R$ 17 milhões já foram indicados para Castro pela deputada Aline.

O recurso será utilizado para custear as despesas da instituição. A emenda é de autoria individual da parlamentar via Fundo de Assistência Social, para o SSVP – São Vicente de Paulo (Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos São Vicente de Paulo).

A parlamentar registrou sua felicidade em poder destinar recursos para esse importante local de acolhimento aos idosos. "Esse termo de colaboração veio em boa hora, pois o asilo passa por sérias dificuldades financeiras nesta época de pandemia, onde a cada dia, os gastos aumentam e as arrecadações diminuem. Os custos subiram muito, principalmente de itens como máscaras, luvas e álcool em gel, fraldas, alimentos. Por isso, estamos aqui sempre para ajudar no que for possível", contou.

Arapoti
Já para Arapoti, a Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE) recebeu R$ 200 mil reais em emenda de autoria da parlamentar. "O meu mandato tem o compromisso de promover a garantia dos direitos das pessoas com deficiência. Fui professora da Apae, conheço a realidade e as necessidades da instituição. Este apoio financeiro por meio de emenda, faz com que as instituições possam continuar realizando um atendimento de excelência para quem tanto precisa", destacou a parlamentar.

Piraí do Sul
Na última quinta-feira, 22 de abril, o município de Piraí do Sul recebeu a emenda parlamentar de R$ 500.000,00 de autoria da deputada para pavimentação asfáltica no município. O dinheiro já está na conta da prefeitura para a realização do novo asfalto.

O recurso será para o recapeamento asfáltico da Avenida Nossa Senhora das Brotas e adequação ao projeto, compreendendo o trecho entre a Praça Pedro Lupion e a faixa de domínio da Rodovia PR-151. "Nossa missão em Brasília é trazer o máximo de recursos necessários para os municípios paranaenses. Contem com o meu trabalho", ressaltou Aline.

Educação
O PL 5595/2020 que torna a educação serviço essencial durante a pandemia, aprovado na Câmara dos Deputados e que agora será discutido e votado no Senado Federal, foi o tema da reunião entre a parlamentar paranaense Aline Sleutjes, que é co-autora do projeto, as autoras, deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF) e deputada Adriana Ventura (Novo-SP), o Senador Marcos do Val (Podemos-ES), que será o relator da matéria no Senado e o ministro da Educação Milton Ribeiro nesta terça-feira, 27 de abril, no Ministério da Educação.

O projeto torna a educação básica e superior serviços essenciais, aqueles que não podem ser interrompidos durante a pandemia, exceto se houver critérios técnicos e científicos justificados pelo Poder Executivo quanto às condições sanitárias do estado ou município.

"Viemos pedir apoio ao Ministério da Educação, bem como solicitar sua ajuda na agilização junto ao ministério da Saúde para a priorização da vacinação a equipe educacional. Já obtivemos vitória na Câmara e agora o projeto está no Senado com o nosso colega Senador Marcos do Val na relatoria. Não podemos mais aceitar as nossas escolas fechadas. Lugar de criança é na escola", destacou Aline Sleutjes.



O Ministro da Educação Milton Ribeiro destacou o trabalho das deputadas em apresentarem esta matéria na Câmara. "Agradeço o empenho desses parlamentares que tiveram na Câmara muito trabalho para reconhecer que a educação fosse considerada atividade essencial. Isso pra mim é uma vitória muito grande. Agradeço as parlamentares Aline Sleutjes, Adriana Ventura e Paula Belmonte pelo grande feito, a educação agradece", comemorou o Ministro.

"Em outubro de 2020, encaminhou para a Casa Civil um pedido de vacinação para os profissionais da educação. Agora, estive com o ministro da Saúde Marcelo Queiroga e renovei o meu pedido. Quero dizer a você professor, que o Ministério da Educação encaminhou para todas as escolas municipais e estaduais do país mais de R$ 444 milhões de reais somente para a compra de insumos de proteção contra a Covid, como álcool gel para a volta das aulas. Nós acreditamos que a educação é a força que pode mudar o nosso futuro!", comentou a deputada.

Nesta quarta, 28, os parlamentares irão até o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pedir apoio ao projeto bem como reforçar a solicitação de priorização de vacinação aos profissionais da educação.



 O deputado conclamou a toda a sociedade para que "onde for instalada uma casa de passagem, que seja abraçada"  


Foto: Carlos Gandra/CLDF.

Durante a sessão remota desta quarta-feira (28), o deputado Delmasso (Republicanos) recorreu a uma palavra pouco conhecida para apresentar reflexão sobre as casas de passagem. O distrital argumentou que muitas pessoas têm "aporofobia" – aversão ao pobre – mas não reconhecem, e que isso é um desafio para a instalação de unidades de acolhimento para pessoas em situação de rua e de abandono no Distrito Federal.

"Temos visto essa prática por algumas pessoas que se utilizam de interesses que não atendem aos princípios constitucionais, se movimentando contra as casas de passagem", disse Delmasso. "Ninguém vai dizer que um morador de rua não deve ter uma condição social digna, mas muitos dizem: 'longe de mim, longe da minha casa'", continuou.

"A implantação das unidades de acolhimento faz parte de uma política de atendimento ao princípio do resgate da dignidade humana. A implantação é, sim, um ato humanitário", defendeu o distrital. E concluiu: "Clamo a toda a sociedade: onde for instalada uma casa de passagem, que seja abraçada".

A fala de Delmasso foi elogiada pelo deputado Fábio Felix (PSOL), que já havia tratado do assunto na sessão de ontem. "Do lugar de seus privilégios, muitas pessoas não querem as unidades de acolhimento. Mas não adianta reclamar da crise social por que passamos e não ajudar o Estado a estruturar essa política", defendeu.

Arlete Sampaio (PT) concordou com os colegas: "A sociedade precisa ter solidariedade, fraternidade e não esse ódio". A parlamentar também argumentou que a "aporofobia" pode ser percebida no próprio governo, "ao derrubar barracos sem oferecer nenhuma alternativa".



Ultracongelador vai armazenar na Rede de Frio e servidores da imunização foram treinados para lidar com novo imunizante  


Fotos: Brteno Esack.

A Rede de Frio Central do Distrito Federal está preparada para receber as vacinas da farmacêutica norte-americana Pfizer, produzida em parceria com o laboratório alemão BioNTech. A previsão é que a primeira remessa desse imunizante chegue na capital federal no início de maio. As vacinas precisam ser armazenadas a temperaturas entre -65°C e -80°C, conforme orientação do fabricante.

A Secretaria de Saúde promoveu um treinamento com os responsáveis técnicos das salas de vacina e núcleos de redes de frio regionais. A capacitação tem por objetivo preparar os servidores para o correto manuseio das vacinas e aprimorar as condições de armazenamento, apresentação, preparo e via de administração da vacina, e eventos adversos.

Segundo a chefe do Núcleo da Rede de Frio, Tereza Luiza, "a expectativa da pasta é ampliar os grupos prioritários e conseguir avançar na vacinação, reduzindo assim a hospitalização e os óbitos".

O frasco da Vacina Pfizer/BioNTech contém seis doses. O intervalo entre a primeira e a segunda dose é de 21 dias. De acordo com estudos realizados sobre o imunizante, a vacina garante 85% de eficácia já na primeira dose. No entanto, é necessário completar o esquema vacinal com duas doses.

Armazenamento
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), analisou as exigências de armazenamento da vacina e flexibilizou as temperaturas utilizadas para conservação em baixas temperaturas. O órgão garante que o armazenamento a uma temperatura entre -15°C e -30°C, por um período de até duas semanas, e de -2°C e -8°C por até 5 dias, a vacina não perde a eficácia dos componentes.

Após o prazo de duas semanas as vacinas devem voltar a temperatura recomendada pelo fabricante, entre -65°C e -80°C. O ultracongelador da Rede de Frio Central tem capacidade de 570 litros, e consegue armazenar até 40 mil doses de imunizantes. O aparelho consegue atingir a temperatura de -80°C.

Já nas salas de vacina, as doses ficarão armazenadas entre -2°C e -8°C, que é a capacidade das câmaras frias desses locais.

A Secretaria de Saúde espera ampliar o público-alvo da campanha de vacinação contra a Covid-19 com a chegada dessas doses e ressalta que, no Distrito Federal, não houve interrupção da aplicação de doses como ocorre em alguns estados. O Comitê Estratégico de Vacinação fez todo um planejamento para que não houvesse falta de vacinas para nenhum grupo iniciado com a primeira dose e, até mesmo, para quem precisa completar o esquema vacinal.

Por ADRIANA SILVA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF



Ao todo, a Secretaria de Saúde vai pagar mais de R$ 7,6 milhões pelos serviços extras prestados no mês de fevereiro



Na noite desta quarta-feira (28), a Secretaria de Saúde fará o pagamento aos 4.830 servidores que fizeram o Trabalho por Período Definido (TPD) no mês de fevereiro. De acordo com a subsecretaria de Gestão de Pessoas (Sugep), o valor encaminhado para crédito em conta bancária é de R$7.666.878,05.

A subsecretária da Sugep, Silene Almeida, destaca que o pagamento desse trabalho extra vem sendo feito dentro do prazo previsto em legislação, que é de até 60 dias após as horas extras trabalhadas. Para a gestora, pagar o servidor em dia é um compromisso desta gestão com os profissionais que diariamente dedicam seu tempo para salvar vidas.

"Cumprimos o prazo rigorosamente em dia, conforme determinação do governador Ibaneis Rocha e do secretário Osnei Okumoto", afirma Silene que lembra que esse prazo nem sempre foi seguido. "Na gestão passada, os servidores demoravam até 150 dias para receberem o que a lei manda pagar em 60 dias", observa.

O que é o TPD?

O Trabalho por Período Definido é um recurso utilizado pela Secretaria de Saúde para suprir eventuais déficits de servidores e garantir a assistência ao cidadão. Dessa forma, os profissionais do quadro disponibilizam-se para fazer escalas em dias ou horários fora do seu plantão, seja para substituir a falta de outro servidor, seja para reforçar as equipes diante de alguma necessidade.

No início do governo, havia atraso no depósito dos valores de horas extras realizadas até junho de 2018 e, após essa data, transformadas em TPD. A atual gestão conseguiu regularizar os pagamentos e tem depositado em dia os recursos referentes a este ano e a 2020.

"A melhor forma de reconhecer e valorizar o maior patrimônio da Secretaria, que são os seus servidores, é fazer o pagamento como determina a lei, ou seja, dentro do prazo previsto", finaliza Silene Almeida.

Por  JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF.



Nesta quinta (29), haverá uma Audiência Pública para debater sobre a Ocupação do Solo no Comércio do SIA, através do aplicativo Zoom. A iniciativa é do Deputado Delmasso, vice-presidente da Câmara Legislativa, que é autor do Projeto de Lei Complementar 67/2020. O objetivo é ouvir as principais dificuldades dos empresários e de toda a população da Poligonal do SIA

O deputado Delmasso afirmou que a proposta apresentada é fruto de anos de estudos e pesquisas sobre o assunto, os quais abordaram a situação atual da ocupação das áreas públicas dos comércios locais. "Estamos fazendo essa audiência para ouvir os empresários. O objetivo é ordenar definitivamente o espaço público, uma vez que atualmente não existem parâmetros a serem seguidos pelos comerciantes", disse.

A Administradora do SIA, Luana Machado, agradeceu pela audiência na Região. "Essa é uma forma de buscar soluções para os problemas que os empresários enfrentam diariamente. Eles são essenciais para o crescimento da nossa cidade", disse.

A ocupação, por concessão de uso das áreas públicas próximas às lojas situadas no comércio local, será disciplinada da seguinte maneira:

As áreas públicas situadas nos Trechos 1, 2, 3 e 4, serão permitidos ocuparem, entre 1.000 e 20.000 metros quadrados, a partir do limite das lojas registrado em cartório; As áreas situadas nas Quadras 3C a 5C serão permitidos ocuparem entre 100 e 8.000 metros quadrados, a partir do limite das lojas registrado em cartório.

 As áreas públicas situadas no Setor de Transportes Rodoviários e Cargas (STRC), serão permitidos ocuparem entre 500 e 12.000 metros quadrados, a partir do limite das lojas registrado em cartório. As áreas cuja ocupação por mesas e cadeiras for permitida serão delimitadas por separadores físicos removíveis, apenas durante o horário de funcionamento do estabelecimento.

Estarão na mesa: o vice-presidente da Câmara Legislativa, Deputado Delmasso, o Deputado Cláudio Abrantes, o Secretário de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), Mateus Leandro de Oliveira, a Administradora do SIA, Luana Machado, o Presidente da Fibra, Jamal Bittar, o Presidente da Fecomércio, José Aparecido Freire e o Empresário Ricardo Oliveira.

Evento: Audiência Pública para debater sobre a Ocupação do Solo no Comércio do SIA

Data: 29-04-2021.

Horário: 10h

Via Zoom (ID da reunião): 290 482 1982.


   
Delmasso, autor do projeto de decreto Legislativo, o parlamentar ressaltou que parques são públicos e a cobrança é uma "prática abusiva". Já o presidente Rafael Prudente destacou que a taxa é "inoportuna", ainda mais durante a pandemia


Foto: Carlos Gandra/CLDF  

A cobrança de uma licença especial para que os professores de educação física possam utilizar áreas dos parques administrados pelo Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Distrito Federal - Brasília Ambiental (Ibram) para ministrar aulas foi suspensa na tarde desta terça-feira (21) pela Câmara Legislativa do Distrito Federal. Os deputados aprovaram o projeto de decreto Legislativo n° 165/21, de autoria do deputado Delmasso (Republicanos), que susta os efeitos do art. 5° da Instrução Normativa 16/2021, que trata da utilização de espaço público para fins comerciais nas unidades de conservação administradas pelo Brasília Ambiental.

A Instrução Normativa determina que os educadores físicos que utilizem as áreas de parques, como o de Águas Claras, Olhos d´Água (Asa Norte) e da Península Sul (Lago Sul), solicitem autorização e paguem pela utilização dos locais. Com a medida, as aulas práticas desportivas precisarão de autorização do Ibram, os professores devem ser credenciados, não podem ocupar vias internas dos parques e músicas e sons não poderão perturbar outros visitantes. O Ibram é responsável pela gestão de 82 unidades de conservação no DF.

O deputado Delmasso explicou que o que está sendo suspenso é somente a parte que se refere à cobrança de licença do educador físico. Segundo ele, os parques são públicos e a cobrança é uma prática abusiva contra o educador físico e contra os praticantes de esporte. O distrital disse que tentou um diálogo com a diretoria do Ibram, mas não obteve resposta.

Outros deputados criticaram a cobrança de taxas dos educadores físicos. O deputado Rafael Prudente (MDB) classificou a cobrança como "inoportuna". "Num momento de pandemia, quando as pessoas estão precisando fazer atividade física em áreas abertas e quando muitos profissionais estão tendo que se virar para trabalhar, esta cobrança é inoportuna", argumentou.

Na mesma linha, Fábio Felix (Psol) ponderou que "estamos vivendo um momento adverso e considerou a cobrança uma espécie de privatização do espaço público". Para ele, é necessário regulamentar o uso dos parques, mas primeiro o Ibram deve promover um diálogo com os profissionais envolvidos e com a sociedade, ampliando a discussão.

Júlia Lucy (Novo) considerou a Instrução um exemplo de normatização excessiva e a cobrança abusiva. "O Ibram tem muitos outros problemas mais sérios para resolver", ponderou. Também se manifestaram contra a cobrança os distritais Jorge Vianna (Podemos), Leandro Grass (Rede) e Chico Vigilante (PT).


Segundo o autor da nova Lei, deputado Delmasso, a ideia é estimular empresas que proponham soluções para problemas da sociedade, gerando lucro e melhorando a vida da população  


Foto: Rogério Lopes.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), sancionou a Lei nº 6.832/21 nesta terça-feira (27). A norma pioneira, proposta pelo deputado Delmasso (Republicanos), institui a Estratégia Distrital de Investimentos e Negócios de Impacto, que vai articular governo, setor privado e sociedade civil no desenvolvimento de um ambiente favorável a negócios cuja missão é gerar impactos socioambientais positivos

Esse tipo de empresa é focada na solução de problemas relacionados ao meio ambiente de forma ambiental e financeiramente sustentável. Isto é, a principal atividade deve ser a mesma que gera impacto e não uma ação pontual. "É importante reforçarmos que esse tipo de empresa só funciona com uma configuração de negócio que proponha soluções para resolver problemas da sociedade, gerando lucro e melhorando a vida dessa população, atingindo assim o seu propósito social", afirma Delmasso

Eixos de ação
O nova lei está estruturada em cinco eixos estratégicos: ampliação da oferta de capital para os negócios de impacto; aumento da quantidade de negócios de impacto; fortalecimento das organizações intermediárias; promoção de um ambiente institucional e normativo favorável aos investimentos e aos negócios de impacto; e fortalecimento da geração de dados que proporcionem mais visibilidade aos investimentos e aos negócios de impacto.

"O objetivo é desburocratizar e incentivar os empreendedores, com a melhoria do ambiente de negócios como fator crucial para o desenvolvimento econômico, tendo como consequência a ampliação da arrecadação e a geração de emprego e renda no Distrito Federal", comenta Delmasso.

Os negócios de impacto possuem particularidades importantes. Essas particularidades os diferem de um "negócio comum". Este tipo de negócio nasce do desejo de protagonizar soluções para os grandes desafios sociais e ambientais – e também do desejo de oferecer essas soluções de uma forma escalável financeiramente sustentável, por meio da oferta de produtos e serviços, sem depender de doações.



Maioria são trabalhadores contratados por empresas terceirizadas que prestam serviço para a administração municipal

Fotos: Facebook Rogério Cruz.

Mesmo diante da crise mundial causada pela pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Goiânia garantiu a contratação de mais de cinco mil pessoas que atuam em cerca de 70 obras por toda cidade. São empregos diretos e indiretos que garantem a renda para essas famílias.

"Sabemos da importância dessas obras na vida de muita gente. Elas cumprem um fator social importante. Através desses projetos, mais de cinco mil pessoas conseguem levar comida para dentro de casa", destaca o prefeito Rogério Cruz.  

"Através desse trabalho, eu venho me alicerçando aqui. Esse é meu ganha-pão. A gente vai conseguindo as nossas coisas, como comprar uma residência, um carro e financiar uma moto", conta o auxiliar de almoxarifado Maik Ribeiro, que antes de atuar nessa função foi servente e ferramenteiro em diversas construções na cidade. Atualmente ele trabalha nas obras do BRT Norte/Sul.

De acordo com o secretário de Infraestrutura da capital, Fausto Sarmento, os postos de trabalho vieram por meio de contratos com empresas terceirizadas que prestam serviço para a Prefeitura. Ele lembra que os servidores estão distribuídos em mais de 70 obras terceirizadas. "São profissionais como engenheiros, estagiários, topógrafos, carpinteiros, pedreiros, motoristas, vigias, administradores, entre outros. Além desses, são mais cerca de 1.500 empregos indiretos gerados com essas obras", completa Fausto.



Ao receber o prémio Cidade Iluminada, das mãos do jornalista Paulo Melo, o secretário de Economia André Clemente falou sobre o que o GDF tem feito para amenizar os impactos da pandemia, realizar obras e garantir novas nomeações  e novos certames


Foto: Marcelo Alves.

O  secretário de Economia André Clemente, lembrou que, em 2020, o Governo do Distrito Federal (GDF) se mostrou preparado e apresentou números positivos na arrecadação, mantendo a qualidade nos gastos, mesmo com a pandemia da Covid-19. Além disso, com investimentos e incentivos fiscais, foram atraídas para o DF 14 grandes empresas, gerando mais empregos e maior arrecadação de impostos.

 "Nós sabemos que, em breve, retomaremos o ritmo da atividade econômica. Por isso, o DF não parou. Temos obras em andamento, pagamentos em dia de servidores e fornecedores, além de incentivos fiscais. Precisamos cuidar de quem precisa. Os micros e pequenos empresários são responsáveis por grande parte das contratações", detalhou. O secretário de Economia destacou ainda as ações de apoio ao setor produtivo, como a prorrogação do IPTU para setores mais afetados pela pandemia e a remissão e isenção da taxa de preço público, que beneficiaram várias empresas.

 André Clemente falou ainda do Refis 2020, o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal que renegociou mais de R$ 3 bilhões. Foi a edição mais arrojada do programa, que auxiliou pessoas físicas e jurídicas a regularizarem sua situação fiscal.

 Ao longo da conversa, o secretário destacou que o foco do governo no atual momento é cuidar da saúde da população. Por isso, estão sendo realizados investimentos na construção de hospitais e na contratação de profissionais para atuar na linha de frente das áreas de Saúde, Segurança e Assistência Social. Até o momento, foram mais de 9 mil servidores nomeados nessas áreas. "Cuidando da saúde, temos mais segurança para flexibilizar o comércio e retomar a atividade econômica. Nossa prioridade é a vacina, cuidar da população e, na sequência, da economia".
 
Quando questionado sobre o impacto dos auxílios emergenciais nos cofres do GDF, Clemente lembrou que a transferência de recursos beneficia a própria economia do estado. "Quando as pessoas recebem os recursos, elas consomem, garantindo que os estabelecimentos sigam funcionando, o que também vai gerar mais impostos", detalhou.

O secretário de Economia ressaltou ainda que a situação econômica se manteve equilibrada em 2020, mas neste ano está sendo constantemente avaliada. "Nós precisamos avaliar a cada dia. As ações de 2020 podem não servir para 2021. No ano passado, nosso governo, com o apoio da Secretaria de Comunicação, conscientizou a população e tivemos uma inadimplência muito baixa, mantendo IPTU e IPVA em dia. Mas não sabemos como será neste ano", lembrou.

No primeiro ano da pandemia, o GDF manteve o gasto público. Em 2021, as obras e investimentos vão continuar no DF, além da realização de concursos públicos. "As obras geram muitos empregos e mudam a cara da cidade. São obras importantíssimas que proporcionam qualidade de vida para a população. Isso incentiva o investimento e retroalimenta a economia. Com isso, todos crescem", detalhou André Clemente.

Sobre concursos públicos, o secretário destacou que estão em andamento certames para a contratação de mais servidores. "Temos de preparar o Estado para o pós-pandemia. Se a cidade cresce, precisamos de gente para atender bem à população", concluiu.

Desde o início da pandemia, o GDF já contratou mais de 9,3 mil servidores, entre efetivos e temporários. O Estado deve ser enxuto, deve ter o tamanho adequado para ser eficiente.

Por isso, a Secretaria de Economia planeja, na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022, a retomada de concursos públicos, para melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços oferecidos à população. Atualmente, existem 22 concursos de diversos órgãos e secretarias do Governo do Distrito Federal suspensos em decorrência das exigências legais impostas pela pandemia da Covid-19. Eles constarão no planejamento do Orçamento de 2022.

Os concursos que podem acontecer em 2022, são eles:
- Execuções Penais
- Políticas Públicas e Gestão Governamental
- Apoio às Atividades Policiais Civis
- Assistência Pública à Saúde
- Atividade de Defesa do Consumidor
- Atividades do Trânsito
- Auditoria de Atividades Urbanas
- Cirurgião-Dentista
- Desenvolvimento e Fiscalização Agropecuária
- Enfermeiro
- Gestão de Resíduos Sólidos
- Médico
- Assistência à Educação
- Magistério
- Auditoria de Controle Interno
- Auditoria Fiscal da Receita
- Vigilância Ambiental e Atenção Comunitária à Saúde
- Agente de Polícia
- Escrivão de Polícia
- Regulação de Serviços Públicos do DF
- Apoio às Atividades Jurídicas PGDF
- Procurador do DF

Cinco pontos passaram por manutenção, reforço de capina e limpeza. Mais de mil toneladas de entulho foram recolhidas na cidade


Ações contaram com a participação de vários órgãos em busca de melhorar os espaços públicos da região administrativa | Foto: GDF Presente

O GDF Presente concentrou as equipes, maquinários e materiais no Guará, nesta semana. Os trabalhos foram realizados nas quadras residenciais, praças e escolas, trazendo melhoria nos equipamentos públicos e satisfação para a comunidade local.
13,6 mil toneladasde massa asfáltica foram usadas no Guará

O mutirão contou com equipes do Serviço de Limpeza Urbana (SLU), da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), da Administração do Guará e dos servidores do Polo Central do programa. Em cinco dias, foram utilizadas 13,6 mil toneladas de massa asfáltica e recolhidas mil toneladas de entulhos e inservíveis.

As praças da cidade receberam cuidados com melhorias do espaço para o lazer dos moradores. A praça da QI 07, nas imediações do Setor Bancário, recebeu também um trato especial. As equipes realizaram a capina de uma área de 1.500 m² e a roçagem de 1.200 m², além da limpeza do parquinho.

Na praça da QE 26, o GDF Presente consertou todo o alambrado, que estava bastante danificado. Já na praça da QE 17 foi feita a manutenção do portão que dá acesso ao parquinho.
No setor Lúcio Costa e na QE 38, onde será instalado um parque, a limpeza da área verde recolheu 2,3 toneladas de galhos e entulhos

Placa sobre pets

Na praça da QE 2 foi instalada uma placa chamando a atenção de moradores que passeiam com seus pets para a importância de se recolher as fezes dos animais.

A limpeza foi grande também na praça das quadras QI 10 e 11. Nesse local foi realizada a roçagem e capina do mato.

Na QE nº 38, o foco foi a Escola Classe n° 7. O trabalho foi centralizado na quadra poliesportiva, que foi limpa, pintada e recebeu novas linhas de demarcação.

O mutirão para a recuperação e manutenção de equipamentos públicos no Guará incluiu também o Salão Comunitário, localizado na QE 42. Foram reparados e consertados vasos e pias nos banheiros, garantindo, assim, boas condições de uso desses espaços.

No setor Lúcio Costa e na QE 38, a limpeza da área verde possibilitou o recolhimento de 2,3 toneladas de galhos e entulhos. “Essa é uma área que ficou esquecida por muito tempo, mas que vai abrigar um parque futuramente. O trabalho está na fase de limpeza do matagal e retirada dos entulhos e inservíveis”, explicou Luciano Dantas, coordenador do Polo Central, responsável pelas obras Guará, Cruzeiro, Sudoeste e Estrutural.
“O GDF Presente é um programa fundamental na celeridade do atendimento ao cidadão”Luciane Quintana, administradora do Guará

Tapa-buracos

O GDF Presente também realizou a operação tapa-buracos no conjunto Q, da QI 09 e no conjunto F, da QI 11, locais em que os buracos e falhas no pavimento dificultavam a circulação com segurança de motoristas ou pedestres. “Utilizamos 2.950 toneladas de massa asfáltica nesse trabalho”, disse Luciano Dantas.

Satisfeita com as ruas mais limpas, Simone Vaz de Holanda, assessora do Lions Clube do Guará, considera que o GDF Presente está fazendo um bom trabalho na cidade. “A comunidade é muito grande e o Guará cresce muito rapidamente. Brevemente teremos as quadras 50, e a cidade vai crescer ainda mais”, comentou.

A administradora do Guará, Luciane Quintana, ficou satisfeita com as ações realizadas na cidade. “O GDF Presente é um programa fundamental na celeridade do atendimento ao cidadão”, enfatizou.

Luciane Quintana reforçou a importância do trabalho realizado pelo Polo Central e o comprometimento do seu coordenador, Luciano Dantas, com a cidade. “O Polo Central é um grande facilitador, com o reforço de mão de obra e maquinário. Somos gratos pela parceria e o apoio incondicional do nosso governador Ibaneis Rocha, secretário José Humberto e do Luciano coordenador do Polo, responsável pela cidade”, explica a administradora.




Em entrevista à Agência Brasília, o secretário de Governo anuncia orçamento de R$ 126 milhões para obras de pavimentação e apresenta resultados do GDF

Fotos: Acacio Pinheiro.

Mais de mil trabalhadores e 500 equipamentos estão todos os dias nas ruas do Distrito Federal para executar todo tipo de serviço. Este é o resultado das recentes mudanças feitas no programa GDF Presente, coordenador pela Secretaria de Governo do Distrito Federal (Segov). À frente da pasta, José Humberto Pires afirma à Agência Brasília que agora são 11 polos de atuação que cobrem todas as regiões do DF com agilidade para prestar os serviços.

"O que queremos é uma capital renovada em que todos se sintam bem em viver nela. O espírito é geral. O governo todo trabalha com essa visão: entregar uma cidade muito melhor do que aquela que foi encontrada quando o governador Ibaneis Rocha tomou posse", destaca o secretário.

Pires também mostra o que o governo tem feito para combater a pandemia do novo coronavírus ao mesmo tempo em que mantém a economia funcionando. "Fazemos a nossa parte na medida liberando as obras e gerando empregos. Hoje, temos em torno de 1.400 obras sendo executadas, de pequeno, médio e grande porte – essas últimas são cerca de 200. São 30 mil pessoas trabalhando direta e indiretamente no DF. O investimento é de R$ 2,6 bilhões", informa.

O secretário adianta ainda que o governo lança em breve um programa específico de revitalização de vias, a ser realizado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER-DF) e Novacap. "O governador já liberou um lote de R$ 26 milhões para o DER e outro de R$ 100 milhões para a Novacap. Vamos recuperar mil quilômetros de vias dentro do DF nesses próximos anos desta gestão", destaca.

Confira a íntegra da entrevista

1-) Em fevereiro deste ano, o governo anunciou a criação de três novos polos de atuação do GDF Presente. Qual o motivo da mudança?
Quando fizemos o planejamento para implantar o programa, identificamos que sete polos urbanos e um rural eram suficientes. Após um ano de funcionamento, verificamos que a medida foi assertiva com resultados bons. Para melhorar ainda mais, principalmente nas cidades mais populosas, optamos por aumentar para dez polos urbanos. Foi um trabalho baseado nas demandas da população.

2-) Algum polo foi desativado?
Não. Não prejudicamos os pólos que já existiam para criar esses. Ampliamos a estrutura tanto de maquinário quanto de material. Essa foi uma decisão tomada em conjunto com a Novacap [Companhia Urbanizadora da Nova Capital], as administrações regionais e os outros órgãos que participam do polo. Já são três meses com essa nova estrutura e estamos fazendo avaliação de desempenho mensal das atividades, assim como pesquisas para verificar como estão sendo as respostas de demandas via ouvidoria.

3-) A pandemia influenciou de alguma forma na atuação do programa?
Com o esforço dos coordenadores de polo, das equipes que estão na rua e de todos os órgãos que participam do programa, o resultado tem sido muito bom, apesar da pandemia do coronavírus. O DF está limpo e organizado. Um detalhe importante e que mostra o acerto das medidas é a redução dos casos de dengue em mais de 80% porque o governo recolheu toneladas de lixo e entulho, reduzindo drasticamente os focos do mosquito.

4-) Atualmente, o GDF Presente conta com quantos trabalhadores e quantas máquinas?
O número é muito grande. Temos mais de 500 equipamentos e mais de mil pessoas trabalhando nas ruas. São órgãos que participam e ajudam na solução dos problemas, como Novacap, SLU [Serviço de Limpeza Urbano], Caesb [Companhia de Saneamento Ambiental], CEB [Companhia Energética de Brasília], Detran [Departamento de Trânsito], DER [Departamento de Estradas de Rodagem], Funap [Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso] com o programa Mãos Dadas, que é fundamental para gente. Toda essa estrutura está a serviço do GDF Presente.

5-) Qual a importância desse programa?
O GDF Presente não é um programa da Secretaria de Governo, mas sim do Governo do Distrito Federal. Foi pensado pelo governador Ibaneis Rocha na transição. Ele começou a campanha dele pela periferia e por lá viu que o governo funcionava razoavelmente no Plano Piloto e as pontas das cidades estavam muito enfraquecidas em termos de serviço para a população. A grande sacada dele foi fortalecer as administrações regionais e todas as cidades para terem condições de prestar um serviço à altura para o cidadão. O programa veio como instrumento de fortalecimento das cidades, da administração regional, que recebe a demanda do cidadão e representa o governo naquele local. A parceria com os gestores das secretarias e de todos os outros órgãos do GDF é muito importante. São eles que de fato realizam as obras.

6-) Quando o programa Renova-DF, da Secretaria de Trabalho, vai conseguir colocar os mil aprendizes para ajudar no GDF Presente?
Tenho conversado muito com o secretário de Trabalho, Thales Mendes. Temos uma previsão para o final deste mês. Não colocamos antes porque estamos vivendo uma pandemia. Essas pessoas vão para a rua e farão o complemento dos trabalhos nas cidades. A ideia é criar condições para uma intervenção mais duradoura naquela região. Normalmente, o GDF Presente passa de uma a duas semanas em uma cidade. Não é possível reformar uma quadra, um parquinho em toda a extensão que é necessária.

7-) O que é o programa?
O Renova-DF nasce com essa capacidade de levar o pedreiro, servente, eletricista, serralheiro para fazer esse conjunto de recuperação dos equipamentos públicos da maneira que é necessária. O governador pediu para que esse programa fosse desenhado como uma forma de trazer uma atividade e qualificação para essas pessoas enquanto estão prestando serviço para o GDF.

8-) O GDF Presente tem tido uma atuação grande na área rural, principalmente com a manutenção das estradas de terra. Qual a importância dessa ação para a produção agrícola?
Quando falamos em área rural, temos que pensar em vários envolvidos. O cidadão que está na área rural está produzindo, sendo empregado ou dono e tem família, filhos na escola, precisa se abastecer no mercado, ir ao posto de saúde. Essas vias, que chamamos de vicinais e estão espalhadas em todo DF, sofrem demais com a chuva. Anualmente, gera uma demanda muito grande de melhoria. É um trabalho fundamental para dar condições de vida para aquelas pessoas que moram nessa região.

9-) Esse trabalho já é sentido pela população?
Ele ajuda no escoamento da produção – fazendo com que o produto chegue melhor e mais rápido – na mobilidade das crianças que precisam ir para a escola e em casos de emergência, como algum problema de saúde. O polo rural está sendo reforçado com equipamentos da Codevasf [Companhia dos Vales do São Francisco e do Parnaíba]. O governador assinou termo de cooperação que destina R$ 6 milhões em equipamentos para a área da agricultura. Quem opera esses equipamentos é o DER e fazemos essa parceria interna com o GDF Presente.

10-) O GDF Presente é um programa que veio para ficar? Ou o governo já vislumbra um novo projeto pela frente?

Junto com o GDF Presente há o Cidade Sempre Viva – coordenado pela Novacap por meio do diretor-presidente Fernando Leite – , que tem feito isso com muita eficiência. O GDF Presente sozinho não é suficiente. Ele também precisa de outro programa de revitalização de vias, do asfalto, que deve ser feito pelo DER e Novacap. O governador já liberou um lote de R$ 26 milhões para o DER e outro de R$ 100 milhões para a Novacap. Vamos recuperar mil quilômetros de vias dentro do DF nesses próximos anos desta gestão. Dessa forma, teremos condições de reduzir a atenção que o GDF Presente dá ao tapa-buraco e focar em outra área, como por exemplo, o saneamento e escoamento de águas pluviais.

11-) É um programa de renovação para a cidade?
Também, sem dúvida. O programa é permanente e pode ser visto como um dos conjuntos e força de trabalho para renovar Brasília. O que nós queremos é uma cidade renovada e a cidade renovada que queremos é uma Brasília que todos se sintam bem em conviver com ela. No Plano Piloto, renovamos o Eixão, o Setor Hospitalar Sul e estamos com a Praça do Povo em obras e o Setor de Rádio e Televisão. Parte das tesourinhas estão resolvidas e a outra será licitada e a obra deve começar a partir de junho. Vamos renovar todas as passagens de pedestres subterrâneas também. Não para por aí. No Noroeste, a avenida W9 foi inaugurada. Em Taguatinga, estamos trocando o asfalto em toda região e no Gama também. O espírito é geral. O governo todo trabalha com essa visão: entregar uma cidade muito melhor daquela que foi encontrada quando o governador Ibaneis Rocha tomou posse.

12-) Ao mesmo tempo que o governo local combate à pandemia também atua para melhorar a economia local. Quais são as ações do Executivo local que podemos destacar?
Estamos convivendo com o isolamento social, cuidando e zelando pela vida das pessoas. Isso está sendo feito com muita competência. Porém, temos o outro lado que é o das empresas. Precisamos de emprego e renda. O governo faz a sua parte na medida em que ele libera as obras. Hoje, temos em torno de 1.400 obras sendo executadas em Brasília, de pequeno, médio e grande porte – essas últimas são cerca de 200. São 30 mil pessoas trabalhando direta e indiretamente no DF. O investimento é de R$ 2,6 bilhões.

13-) Quais são as áreas beneficiadas?
O governo está melhorando a cidade, criando outra capacidade de mobilidade, reformando escolas, hospitais, construindo UBSs [Unidade de Saúde Básica] e UPAs [Unidade de Pronto Atendimento], fazendo toda a recuperação de equipamentos que estavam estragados na área social. Estamos trabalhando em todos os sentidos para entregar equipamentos públicos para a população, como o MAB [Museu de Arte de Brasília], que foi entregue na quarta (21); e a sala Martins Penna do Teatro Nacional – que entre junho e julho devemos lançar a licitação.

14-) Há dinheiro para tudo isso?
O secretário de Economia, André Clemente, está fazendo uma gestão de orçamento exemplar. Já fez o pagamento significativo de dívidas do passado, tem mantido toda a gestão de pessoas com seus pagamentos em dia, as empresas que trabalham para o governo estão recebendo em dia também. Isso cria um ambiente muito bom. O governo abre uma oportunidade de trabalho com as obras, as pessoas conseguem emprego, a economia gira. Essas pessoas vão para o comércio e gira a atividade também. Lá, começam a empregar e ter condições de faturar, melhorar e, esse é o ciclo virtuoso da economia.

15-) Ou seja, é também uma forma de incentivo econômico para o DF?
Claro que sim. Fora isso, cria um ambiente de confiança, de segurança jurídica. Com um governo proativo, os investidores trazem em todas as áreas uma outra carga de obras e empregos. Essa contribuição é tão importante… Não tem como negar que houve um aumento significativo na pobreza por causa da pandemia. Tem uma quantidade de pessoas que estão desempregadas ou em subempregos, vivendo de uma maneira sub-humana para manter sua casa abastecida. Passando a pandemia, quem vai sair na frente é quem criou esse ambiente. Vejo isso com muito bons olhos para o DF.

16-) O senhor citou a redução dos casos de dengue. O que o governo fez contra a proliferação do Aedes aegypti?  
Nos dois últimos anos aprendemos muito sobre a dengue. Temos que trabalhar na prevenção, na causa. O efeito já conhecemos. Eu diria que a dengue é quase endêmica, criou uma resistência que todo ano, na medida que muda o clima, o risco chega. Temos a Secretaria Executiva de Acompanhamento e Monitoramento de Políticas Públicas, comandada pela secretária Meire Mota que faz o acompanhamento desses programas direto com a comunidade. O primeiro ano foi complicado e o segundo ainda não foi o ideal. Neste ano, as ações que implantamos em anos anteriores estão surtindo efeito.

17-) O GDF investe R$ 35 milhões para reformar as feiras da capital. Qual o status das obras?
As melhorias nas feiras são objeto de desejo expresso do governador Ibaneis Rocha. Ele começou sua campanha na feira e cobra todos os dias a solução dos problemas. São três formas de ver esses espaços. Há aquelas que estão implantadas, arrumadas, que precisam só melhorar a questão da gestão. Estamos trabalhando a questão da legislação. Existem outras que a estrutura ainda é boa, mas precisam de reforma – como fizemos na da Candangolândia e estamos fazendo na do Galpãozinho do Gama. Por último, temos aquelas que precisam ser estruturadas porque estão muito danificadas.

18-) Será possível fazer tudo isso em todas as feiras?
Não são equipamentos baratos, pelo contrário, são caros. Chegamos à conclusão que dez delas precisam receber essa mudança mais estrutural. Estamos começando a reforma da feira do Núcleo Bandeirante, que será um modelo para as outras. Também já terminamos a do Riacho Fundo II.

19-) E como ficam os feirantes?
Eles estão se cadastrando e serão selecionados para a ocupação. Por que isso é importante? A feira é um equipamento público onde a população vai e gosta de ir. Isso é uma cultura muito boa porque o recorte da população nordestina de Brasília é muito grande. Quem não é, é descendente. Aquele que não é nenhum dos dois incorpora os costumes. Tem que ter um ambiente agradável e que funcione bem.

20-) Os atuais feirantes terão espaço garantido?
Se há feiras com 60% dos boxes ocupados e o restante fechado porque o feirante não quer ir lá, porque ele acha que lá é um patrimônio dele, abre e fecha na hora que ele quer, acaba prejudicando o atendimento à comunidade. Por isso temos que fazer o recadastramento e dar condições para funcionar. Estamos fazendo tudo isso com a associação dos feirantes e sindicato para que a gente tenha a garantia da revitalização desses espaços e do pleno funcionamento com segurança jurídica. Quem tem que estar ali é o feirante. Não pode ser um morador que colocou os móveis dele lá e virou um depósito da casa dele.

21-) Dê um panorama das obras no DF por região

Oeste

A região Oeste cresceu. Taguatinga levou para lá outras cidades que aumentaram a população, como Ceilândia, Samambaia, Vicente Pires e Arniqueira. Essas pessoas necessitam demais das políticas públicas do governo. Há cidades que estão envelhecidas e outras que estão muito novas, como é o caso do Sol Nascente/Pôr do Sol. É um desafio do governo terminar a infraestrutura de lá. Isso vai acontecer, assim como tirou do papel a obra do Túnel de Taguatinga, que estava parada há mais de 20 anos. A cidade será renovada com o boulevard. Vamos revitalizar o Pistão Sul e Hélio Prates. Os serviços em Vicente Pires estão 92% executados – já é uma cidade de verdade.

Norte

A região Norte é outro vetor de crescimento. A qualidade de vida é invejável. Planaltina é uma cidade histórica e tem tido um carinho muito grande do governador. Sobradinho vai ganhar um viaduto na entrada. Haverá uma terceira faixa para melhorar o fluxo dessa região para Planaltina. Vamos inaugurar também o Trevo de Triagem Norte, batizado de Joaquim Domingos Roriz.

Leste

Já a região Leste, sempre foi tida como a mais pobre do DF, mas esse estigma está desaparecendo. A cidade do Paranoá é espetacular, Itapoã está se desenvolvendo cada dia a mais, São Sebastião e Jardim Botânico estão se desenvolvendo. O governador determinou a duplicação da DF-250, aliviando o trânsito e a construção do viaduto.

Sul

A região Sul é a mais próxima que temos do entorno. Santa Maria e Gama são cidades abastecedoras. São os polos urbanos que catalisam toda aquela região. O governador determinou a revitalização completa do Polo JK para atrair grandes empresas. Fica na entrada de Brasília, é um ponto estratégico para trazer empresas de pequeno, médio e grande porte. Santa Maria acabou de receber uma obra muito importante na VC-371. É uma via muito importante de ligação com a saída da cidade. O Gama também está passando por grande transformação. A Avenida dos Pioneiros foi reformada e vamos fazer o Centro de Saúde nº 8, além de entregarmos um novo setor de desenvolvimento econômico, a Ama Gama, toda pronta.

  Por ANA LUIZA VINHOTE, DA AGÊNCIA BRASÍLIA I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON.

A dívida tributária da empresa soma mais de R$ 300 milhões, entre as inscritas em dívida ativa e outras ainda em andamento no âmbito da Receita Estadual

Foto: Renato Araújo.

Com atuação sistemática do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos do Estado de Goiás (Cira-GO), composto pela Secretaria da Economia de Goiás, Procuradoria Geral do Estado (PGE), Ministério Público (MP) e Polícia Civil, o administrador da Comercial de Alimentos Itatico Ltda, mais conhecido como Supermercado Tatico, passará a responder por crime contra a ordem tributária.

Neste caso decorre de sonegação de tributo estadual, o Imposto sobre Operações referentes à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal (ICMS). Ao todo, os valores sonegados somam mais de R$ 5 milhões conforme revela denúncia oferecida pelo MP.

Além da sonegação do ICMS, que por si só já justifica a intervenção do Cira-GO, o administrador teria omitido informações às autoridades da Receita Estadual com o intuito de burlar a legislação tributária.

Também ficou constatado, através do trabalho dos auditores fiscais da Secretaria da Economia, que repassaram a informação para o MP, que o administrador teria fraudado documentos exigidos pela fiscalização tributária e inserido elementos inexatos na Escrituração Fiscal Digital (EFD), livro exigido pela lei fiscal. A prática levou o responsável pela gestão da empresa Tatico a suprimir ICMS em valores superiores a R$2 milhões, valores levantados em auditorias fiscais, causando graves prejuízos ao erário estadual.

A Secretária da Economia, Cristiane Schmidt, ressalta o trabalho conjunto do Comitê. "Essa parceria intersetorial é muito importante. Os auditores fiscais que compõem Cira atuam de forma efetiva com demais órgãos. E sabemos que é importante combater a sonegação para evitar a concorrência desleal que contamina o mercado", explica Schmidt.

Outras investigações
De acordo com a secretária-Geral do Cira-GO, auditora fiscal Gabriela Vitorino de Sousa Delfino, esse trabalho com o Tatico vem sendo feito desde 2019. Mas em outubro do ano passado, o Comitê já havia denunciado o mesmo empresário por apropriação indébita de ICMS. Segundo ela, o total da dívida tributária da empresa soma hoje, mais de R$ 300 milhões, entre as inscritas em dívida ativa e outras ainda em andamento no âmbito da Receita Estadual.

"Em razão da pandemia, o Estado tentou de todas as formas tratativas com a empresa para evitar que chegasse nesse ponto, do prosseguimento da persecução penal com o oferecimento da denúncia em desfavor da empresa por prática de crime contra a ordem tributária. Mesmo com aumento de faturamento, até a data de hoje, não temos a adesão da empresa ao programa de benefícios oferecido pelo Estado", pontuou a auditora fiscal Gabriela Vitorino.

Gabriela ressalta que "já trabalha com notícias de crimes tributários contra esse grupo empresarial desde 2011 e que parabeniza a atitude do MP goiano pelo oferecimento da denúncia, no sentido de buscar justiça fiscal, o que espera que seja feita com reparação dos danos causados à sociedade", completa Vitorino.

"As ações do Cira-GO neste caso não param por aí. Há outra investigação instaurada pelo MP, que corre em sigilo, cujo alvo também é o mesmo grupo empresarial. Acredito que a tendência seja de aprofundamento das análises, por parte de todos os órgãos e instituições que integram o Cira, das condutas praticadas no âmbito da administração dessa empresa", relatou o promotor José Humberto.

Saiba mais
O grupo operacional do Cira-GO é integrado pelo promotor de Justiça José Humberto Nunes Nogueira, coordenador; dois auditores fiscais da Receita Estadual, Gabriela Vitorino e Fábio Yudi, três procuradores do Estado de Goiás, Claudiney Rezende, Anahara Justino e Denise Guimarães; e a delegada da Polícia Civil, titular da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Ordem Tributária (DOT), Mayana Rezende.



O Governo de Goiás, por meio da Secretaria da Retomada, oferece mais de 11 mil vagas para cursos gratuitos de capacitação e qualificação profissional na modalidade de Ensino à Distância (EaD), pelos Colégios Tecnológicos do Estado de Goiás (Cotecs), a moradores de todo o Estado. Segundo o secretário da Retomada, César Moura, o objetivo da iniciativa é melhorar o currículo dos trabalhadores goianos. "O Programa Mais Empregos oferece milhares de vagas de trabalho diariamente, mas são oportunidades que, muitas vezes, precisam de qualificação e capacitação específicas. É isso que ofertamos pelos cursos dos 17 Colégios Tecnológicos", reforça
  

Os candidatos aos cursos de capacitação devem ter idade mínima de 16 anos. (Foto: Divulgação)

As datas das aulas serão informadas aos alunos via e-mail ou WhatsApp. Já as inscrições devem ser feitas pelo site do Instituto Brasileiro de Cultura, Educação Desporto e Saúde (Ibraceds) https://ibraceds.org.br/cursos/cotec-online-ead/, Organização Social (OS) responsável por gerir as unidades de ensino.

A publicação dos resultados ocorre de acordo com a formação de turmas nos seguintes sites:

www.colegiotecnologico.com.br/formosa/tipo/alunos/

www.colegiotecnologico.com.br/cristalina/tipo/alunos/

www.colegiotecnologico.com.br/porangatu/tipo/alunos/

www.ibraceds.org.br/cursos/cotec-online-ead/

www.site.educacao.go.gov.br/editais-itego/

Cursos de Capacitação
Os candidatos aos cursos de capacitação devem ter idade mínima de 16 anos no ato da matrícula e Ensino Fundamental concluído.

Os cursos oferecidos nesta modalidade são: Contabilidade Comercial; Controle de Estoque; Empreendedorismo; Gestão da Qualidade; Gestão de Pessoas; Gestão de Serviços Hoteleiros; Informática Aplicada à Educação; Informática Básica; Inglês Instrumental; Marketing Digital; Mercado Hoteleiro; Oficinas Culturais; Planejamento e Marketing Turístico; Psicologia da Aprendizagem; Qualidade no Atendimento; Redação Oficial; Redes de Computadores; Secretariado Básico; Sistemas Operacionais; Técnicas de Vendas e Apresentação Pessoal; Técnicas em Vendas.

Cursos de Qualificação

Os candidatos aos cursos de qualificação, também, devem ter idade mínima de 16 anos e Ensino Médio concluído, por qualquer via de acesso, ou estar na 2ª e 3ª séries do Ensino Médio da Rede Pública de Ensino. Cerca de 35% das vagas ofertadas para os cursos de qualificação profissional são destinadas, preferencialmente, a alunos da Rede Estadual de Educação.

Os cursos oferecidos são: Assistente Administrativo; Assistente de Contabilidade; Assistente de Logística; Assistente Educacional; Auxiliar Pedagógico; Recepcionista em Meios de Hospedagem e Supervisor de Exploração Agropecuária.

Atenção para garantir vaga

Para evitar problemas na efetivação da matrícula, é importante que os candidatos preencham a ficha de inscrição com atenção, sigam todo o passo a passo e encaminhem os documentos exigidos no e-mail do Colégio Tecnológico correspondente à inscrição. O início das aulas será divulgado no ato da publicação do resultado do processo seletivo. Qualquer alteração quanto à data de início das aulas será informada nos sites de cada unidade de ensino.

Mais informações diretamente com os contatos dos Colégios Tecnológicos:

Cotec Genervino Evangelista da Fonseca (Cristalina) secretaria.gef@ibraceds.org.br

(61) 3612-1942

Cotec Maria Sebastiana da Silva (Porangatu)

secretariamss@ibraceds.org.br

(62) 3362-3677

Cotec Carmem Dutra Araújo (Formosa)

secretariacda@ibraceds.org.br

(61) 3642-2869

 

Preferência por fornecedores locais na construção civil contribui para sustentabilidade do segmento (Foto: Divulgação)

Estabelecer vínculos fortes com parceiros próximos estimula a economia local e traz vantagens no custo de aquisição dos insumos

Empresas que querem estimular a economia e contribuir para o desenvolvimento da região em que atuam encontram na valorização de fornecedores e parceiros próximos uma maneira sustentável de fortalecer toda a cadeia produtiva local. Além disso, essa prática traz vantagens logísticas que influenciam diretamente no custo de aquisição de materiais, e ainda permite a troca de conhecimentos e tecnologia.

A Consciente Construtora, que atua há quase 40 anos em Goiânia, reconhece a valorização dos fornecedores locais como um dos pilares de sua política de sustentabilidade. Além de ter acesso facilitado a insumos e suprimentos utilizados rotineiramente nas atividades do segmento, a construtora acaba por incentivar a economia da região, fomentando o desenvolvimento de parceiros próximos, e também estabelece práticas sustentáveis, reduzindo as distâncias, o uso de combustíveis no transporte terrestre e gastos logísticos.

Em seu relatório de sustentabilidade publicado em 2020, a Consciente Construtora apontou que mais de 66% do orçamento do ano anterior foram gastos com fornecedores locais. O engenheiro civil Humberto Dutra Borges, gerente da área de suprimentos da Consciente, destaca os ganhos econômicos com esta longa tradição da empresa e também ressalta a importância para o setor produtivo local como um todo.

“A preferência é sempre por fornecedores locais. Com isso, ajudamos a impulsionar o desenvolvimento local, gerando emprego e renda, além de custos mais acessíveis. Essa prática contribui para o desenvolvimento tecnológico regional, incentivando os fornecedores locais a buscar novas tecnologias, e também a investir em um quadro de profissionais mais capacitados, para conseguir concorrer com outras empresas de fora”, ressalta Humberto.

Outra vantagem da preferência por fornecedores locais está na redução do custo de deslocamento e hospedagem de equipes, já que a negociação é facilitada pela proximidade. Entre os principais insumos adquiridos, estão concreto, madeira, cimento, areia e aço. Segundo Humberto Dutra Borges, a Consciente exige dos parceiros próximos o mesmo patamar de qualidade e comprometimento esperado de fornecedores nacionais.

“Os padrões de qualidades de todos os serviços e insumos são checados, e também fazemos o acompanhamento junto aos prestadores de serviço e fornecedores, para garantir que todas as etapas de produção estejam cumprindo os requisitos legais, tanto no que se refere às licenças para funcionamento e pagamento de tributos, quanto à não utilização de trabalho análogo à escravidão e mão de obra infantil”, afirma o gerente de suprimentos.
 
Além de estimular a economia local, priorizar fornecedores locais traz vantagens no custo de aquisição dos insumos (Foto: Divulgação)

Do lado dos fornecedores, o balanço da parceria também é positivo. O engenheiro civil Bernardo Brasil de Aquino Porto, diretor comercial da Realmix Concreto, conta que a parceria de quase 30 anos entre as duas empresas foi se consolidando obra após obra. A confiança gerada ao longo de tanto tempo possibilitou que a Realmix investisse na compra de equipamentos para atender a demandas específicas da Consciente. Para acompanhar a preocupação ecológica da Consciente, a Realmix também se viu estimulada a buscar práticas sustentáveis em seus processos produtivos.

“A Realmix sempre valorizou muito as parcerias duradouras em nossos negócios. Nós buscamos sempre a seriedade e a transparência em nosso serviço, algo que a Consciente sempre exigiu de seus parceiros. Vimos a Consciente crescer e crescemos juntos com ela, inclusive acompanhando a vertente de sustentabilidade e a preocupação ambiental que a Consciente adquiriu ao longo do tempo”, ressalta Bernardo.

Outro fornecedor de longa data da Consciente Construtora é a Votorantim Cimentos, empresa de porte nacional que possui regionais espalhadas por todo o Brasil. Segundo Mauricio Nery, coordenador comercial para o setor imobiliário na Região Centro-Norte da Votorantim Cimentos, a empresa exerce um grande impacto socioeconômico nas regiões onde atua, e por isso desenvolve uma visão de mercado também voltada ao fortalecimento de parceiros locais.

“Quando falamos especialmente no mercado de Goiás e Distrito Federal, temos duas fábricas estrategicamente posicionadas: uma na cidade de Sobradinho (DF) e outra no município de Edealina (GO). São unidades produtoras de cimento e argamassas que empregam mais de 400 pessoas. Na região de Goiânia, ainda contamos com um centro de distribuição em Aparecida de Goiânia, que também faz o abastecimento da região Metropolitana de Brasília”, explica Mauricio.

O coordenador comercial para o setor imobiliário na Região Centro-Norte da Votorantim Cimentos acredita que a atuação por meio de fábricas e centros de distribuição regionais permite à empresa uma grande capilaridade no mercado local e facilita a logística para clientes como a Consciente Construtora. Entre as vantagens listadas por Mauricio, estão o barateamento dos custos de transporte e a flexibilização dos prazos de entrega.

“Um grande desafio no transporte de nossos produtos é a predominância do modal rodoviário do Brasil, com cada vez mais veículos em trânsito, falta de manutenção das vias e elevados custos operacionais. Nossas fábricas e centros de distribuição facilitam e agilizam a logística de entrega diretamente nas obras dos nossos clientes, com o abastecimento do nosso portfólio de produtos ensacados: cimentos, argamassas básicas , argamassas colantes e rejuntes”, ressalta Mauricio.
 
Consciente Construtora estabelece fortes vínculos com fornecedores locais há décadas (Foto: Divulgação)

 



 

Nesta quinta-feira (22), a Comissão Nacional de Acompanhamento da Vacinação (Conav/Unale), representada pelo presidente da Pasta, deputado Delmasso (Republicanos) e pelos demais membros da comissão, deputados Zilá Breitenbach (PSDB-RS), Ana Cunha (PSDB-PA), Helena Duailibe (Solidariedade-MA), Ângelo Almeida (PSB-BA), Roberta Arraes (PP-PE), Goretti Reis (PSD-SE), Sérgio Aguiar (PDT-CE), Jane Panta (PP-PB) e Coronel Adailton (PP-GO), participaram hoje (22) de reunião com o embaixador de Israel, Shmulik Bass


Na oportunidade o embaixador apresentou o sistema de saúde do País e as ações que possibilitaram a retomada da normalidade, no pós-pandemia, que os israelenses já vivem hoje. “Hoje olhamos para Israel com um olhar de como queremos estar em breve e com essa troca de informações sobre as ações bem-sucedidas, vamos sair da pandemia no Brasil também nos próximos meses”, disse Delmasso.

“Tivemos um passado de grande contágio e mortes, mas a vacinação, com o imunizante da Pfizer, foi um ponto chave para hoje deixarmos até o uso da máscara de lado. Quatorze dias após a aplicação da segunda dose da vacina, já houve uma queda em nossos números, o que mostra a eficácia” disse Bass.

O diplomata ainda falou sobre a campanha de administração de crise, que envolve a distribuição de doses em todas as regiões do País, a tecnologia para informar os cidadãos sobre a vacinação e o gerenciamento de campanhas antivacinação e Fake News. Além dos desafios de agora e do futuro para chegar realmente ao fim da pandemia e enfrentar uma nova, quando ocorrer.

Abertos os questionamentos, o deputado baiano Ângelo Almeida perguntou sobre as contratações e auxílio às pessoas que tiveram sequelas. “Iniciamos os acordos para compra das vacinas em janeiro, e logo em seguida, iniciamos a vacinação. Foi tudo muito rápido por conta do tamanho do nosso Estado e da população diversificada, que representa uma parte do mundo inteiro, servindo de modelo para outros países”, respondeu o porta-voz e interprete do embaixador, David Atar, que ainda disse que essa pandemia é uma oportunidade de ampliar as colaborações globais, inclusive para ações específicas.

Exemplo de Israel

Israel teve mais de 800 mil casos de infecção pela COVID-19, em torno de 10% de sua população que é de cerca de 9 milhões de habitantes, e mais de 6 mil mortes. No último domingo, o País se tornou o primeiro a suspender o uso obrigatório da máscara a céu aberto.

Isso porque, mais 65% da população geral do país foi completamente imunizada, sendo que 85% dos israelenses, maiores de 16 anos, receberam pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19. Atualmente, há apenas 11 casos no País.

O Estado foi um dos primeiros a ter dados sobre a vacinação de crianças com comorbidades já vacinadas, com a imunização de um grupo de 500 pessoas. Além de dados de gestantes vacinadas antes de saberem da gestação, mas que não apresentaram nenhuma sequela ou reação.

O enfrentamento bem sucedido, segundo o representante de Israel, se deve ao tamanho do país e à agilidade na vacinação em massa através do Serviço Nacional de Emergência Médica e Desastres (MDA) do país.

Com informações da UNALE

Melhores

CLIQUE AQUI E VEJA MINA CASA, MINHA VIDA VALPARAISO

Tecnologia do Blogger.