LINFA CELESTE

 


Nas páginas finais de meu livro Os mortos não morrem (2018), registrei comovida súplica ao Divino Condutor de nossas vidas, a qual dedico a Você, querida Irmã leitora, à Você, prezado irmão leitor do meu blog:

 

Ó Jesus,

Socorro aos famintos,

Alegria para os tristes,

Amparo para a melhor idade,

Proteção para as crianças,

Segurança para os jovens e adultos,

A extinção das corrupções deste mundo,

A sublimação de todas as áreas do saber espiritual-humano.

O fim do fanatismo nas crenças,

O Pão Vivo que desceu do Céu para os carentes do corpo e da Alma.

Prometeste no Apocalipse, 6:6, e na Tua Palavra confiamos:

 

E ouvi uma voz no meio dos quatro seres viventes que dizia: Uma medida de trigo por um denário; três medidas de cevada por um denário; e não danifiques o azeite e o vinho.

 

E, no versículo 4 do capítulo 9, do mesmo livro profético, anuncias:

 

— E lhes foi ordenado que não causassem dano à grama da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma, e tão somente aos homens que não têm o selo de Deus sobre as suas frontes.

 

Ó Divino Mestre, Fluido Divino, inextinguível, para saciar, em qualquer tempo, por pior que seja, os sedentos da Linfa Celeste.

Disseste também no Teu Evangelho, segundo João, 4:14:

 

Aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede, porque a água que Eu lhe ofereço se fará nele uma fonte a jorrar para a Vida Eterna.

 

E mais:

 

Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crê em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva (Evangelho do Cristo, segundo João, 7:37 e 38).

 

Ó Jesus, Guardião das Almas que padecem, capaz de lhes pensar e acalmar as dores. O nosso coração está confortado com os Teus lenitivos, pois Tu disseste:

 

Eu não vos deixarei órfãos e estarei convosco, todos os dias, até o Fim dos Tempos (Evangelho, segundo João, 14:18, e Mateus, 28:20).

 

Ó Sábio Professor, que esclarece mentes submersas nas confusões da vida humana e da existência espiritual nas regiões inferiores — porquanto a vida é permanente na Terra e no Céu da Terra —, em Ti depositamos o nosso futuro! Tu és a voz que todos, sabendo ou não, esperam escutar em si mesmos, como o símbolo da salvação verdadeira, após o Silêncio no Céu, por cerca de meia hora.

 

Quando o Cordeiro de Deus abriu o Sétimo Selo, fez-se grande silêncio no céu cerca de meia hora (Apocalipse do Cristo, 8:1).

 

Contigo, Senhor, suportaremos o que vier depois desse grande silêncio no Céu. E, se nos é permitido fazer-Te um pedido, que seja este: volve a Tua Visão Divina para nós, porque, sob o Teu olhar compassivo, estaremos a salvo das trevas, pois ele é luminoso, e dos seus feixes de luz, que convergem para as nossas consciências sedentas de Justiça, desce a Sabedoria Santa, de que não podemos abrir mão para estar vivos na Vida, que és Tu.

Ó Senhor, cuja Misericórdia nos sustenta, nada há de faltar, como disseste no Apocalipse e no Evangelho, aos que, em verdade, sem ambição, Te acompanharem os passos. No Teu Livro da Revelação Final e na Tua Boa Nova, não permites a menor sequer das dúvidas quanto à Tua Proteção aos que sabem, na realidade, seguir-Te a Luz. Para estes, a Tua resplandecente luminosidade basta, visto que se trata da segurança para o corpo e para a Alma de todos nós.

Perdoa-nos os erros, Senhor. Estamos procurando nos corrigir incessantemente. E, como diz o Apóstolo Pedro na sua Primeira Epístola, 4:7 e 8:

 

7 Ora, o fim de todas as coisas está próximo; sede, portanto, criteriosos e sóbrios a bem das vossas orações.

8 Acima de tudo, porém, tende Amor intenso uns para com os outros, porque o Amor cobre uma multidão de pecados.

 

Em Ti, Senhor, confiamos sempre, seguimos-Te sempre, seguros sempre, pelas estradas da vida (na Terra e no Céu da Terra), porque Tu, que nunca mentiste, afirmaste:

 

Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim (Evangelho, segundo João, 14:6).

 

Que assim seja, ó Jesus, agora e por toda a Eternidade!

Os mortos não morrem!

 

José de Paiva Netto ― Jornalista, radialista e escritor.

paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com