Uso de tecnologia aumenta o desempenho reprodutivo de fêmeas e auxilia na IATF

Dispositivo liberador de progesterona da Bimeda amplia a concentração do hormônio em vacas, indica estudo

A reprodução bovina é um processo que requer atenção e que pode ser otimizado com estratégias direcionadas a fim de que o bem-estar animal seja preservado ao mesmo tempo em que se melhora o desempenho reprodutivo. Para ajudar nesse processo, a Bimeda, empresa com vasta experiência na fabricação, distribuição e comercialização de produtos farmacêuticos veterinários e produtos para saúde animal, desenvolveu uma solução adequada para aprimorar a reprodução bovina nas fazendas.

“O Biprogest, dispositivo intravaginal em forma de T destinado a bovinos, tem a função de regular o ciclo estral em bovinos, auxiliando na aplicação de programas de inseminação artificial em tempo fixo (IATF), programas de superovulação de doadoras em tempo fixo (TETF) e sincronização de receptoras”, , afirma Rodrigo Da Cruz Costa Santos, gerente de produto da Bimeda.

Um estudo sobre o Biprogest, organizado pela Biotran com a finalidade de determinar a quantidade residual da progesterona nos animais, contou com 18 fêmeas bovinas mestiças, sendo nove novilhas (322 a 375kg) e nove vacas (388 a 512kg). Nelas, foi analisada a curva de liberação de progesterona de um dispositivo intravaginal (DIV) contendo 1,25g de princípio ativo em três utilizações consecutivas em fêmeas sem progesterona endógena. 

Nos três usos de Biprogest, houve aumento nas concentrações de progesterona endógena nas fêmeas, visto que, em todos os casos, as concentrações, 12 horas após a inserção, foram superiores às observadas imediatamente antes da inserção.

De forma semelhante, a queda nas concentrações após a remoção do Biprogest também foi rápida. “Nos diferentes usos, a concentração de progesterona, 12 horas após a remoção, foi inferior àquelas observadas imediatamente antes da remoção do dispositivo, efeito que é esperado e desejado para que a fêmea possa ovular devido à baixa concentração de progesterona endógena”, explica o gerente.

Influência da massa corporal da fêmea 

No estudo da Biotran, foi constatado, também, que a massa corporal dos animais interfere na concentração de progesterona circulante proporcionada pelo dispositivo. Em fêmeas de maior massa, a progesterona dilui mais, proporcionando menores concentrações. Consequentemente, o desempenho reprodutivo também é influenciado pela massa da fêmea.

O perfil de liberação é semelhante em animais de diferentes massas corporais. Porém, existe efeito desta condição nas concentrações de progesterona. “Identificamos no estudo que, em animais de menor massa corporal (novilhas), as concentrações são numericamente superiores em todos os dias de colheita, de 12 a 192 horas”, pontua Santos. 

Após cada uso, os dispositivos foram identificados, lavados com água, secos na sombra e armazenados em sacos plásticos até a análise da quantidade restante de progesterona no produto. O teor absoluto de progesterona remanescente em relação à quantidade original (1,25g) foi de 0,78g após o primeiro uso, 0,52g após a segunda utilização e 0,26g ao final do terceiro uso.

“Os resultados mostram que, quanto maior a concentração inicial, maior a perda absoluta e percentual de progesterona no dispositivo Biprogest”, finaliza o gerente de produto da Bimeda.