Goiânia: Rogério Cruz investe R$ 65 milhões em educação, e descentraliza recursos para reformas em unidades de ensino

Escolas e Cmeis têm autonomia para decidir como aplicar recursos da ordem de R$ 33 milhões para promover melhorias estruturais em dependências. Além disso, município destinou R$ 32 milhões para distribuição de kits de alimentação, que garantiram segurança nutricional de alunos durante atendimento remoto na pandemia

Foto: Facebook.

Kits de uniforme com tênis, meia, short, blusa, mochila e moletom serão distribuídos aos 110 mil estudantes. “Transformação da educação é compromisso do nosso plano de governo, e passa pela ampliação de vagas e investimentos em tecnologia e infraestrutura”, destaca prefeito

O prefeito Rogério Cruz já investiu R$ 65 milhões em educação durante os 15 primeiros meses de mandato. Parte do recurso foi destinado a reformas, obras de ampliação e construção de unidades de ensino. Outra parte, a programas que dizem respeito a entrega de uniformes, material escolar, tablets, computadores, livros, e aquisição de ingredientes para 4,12 milhões de refeições da merenda escolar. Houve, também, abertura de 3 mil novas vagas na rede municipal.

Quatro Cmeis foram construídos: Ceasa, Dom Antônio Ribeiro de Oliveira, Dona Ramila e Vila Areião. De acordo com o cronograma da Secretaria Municipal de Educação (SMS), até julho de 2022 serão inaugurados os Cmeis Nion Albernaz, Vale do Araguaia, Brisas do Cerrado, Madre Germana, Bem Me Quer; a Escola Municipal Donata Monteiro da Motta; e a Escola Municipal de Tempo Integral Goiânia Rotary Clube.

“Nossa expectativa é a de que sejam entregues nove unidades de ensino, com mais de 1,6 mil vagas, até o fim do primeiro semestre de 2022”, afirma o prefeito. “Além disso, pela primeira vez em Goiânia, todas as unidades já existentes receberam recursos extras para investir em demandas estruturais. As escolas e Cmeis têm autonomia para decidir como aplicar o dinheiro”, observa.

A pandemia da Covid-19 exigiu esforço extra da Educação. A prefeitura precisou adotar o ensino remoto. Com objetivo de reduzir a disseminação do coronavírus, investiu no atendimento às famílias, e desenvolveu proposta pensada exclusivamente para o modelo híbrido. A estratégia incluiu a elaboração de um Caderno de Atividades, elaborado por professores para auxiliar as aulas por meio do AVAH, Portal Conexão Escola e Conexão Escola TV.

Nesse período, cada unidade manteve contato com os familiares, e a gestão investiu R$ 32 milhões na distribuição de 1,8 milhão de kits de alimentação escolar, para estudantes.

Na medida em que a vacinação avançou em Goiânia, a prefeitura se preparou também para a volta da rotina de aulas presenciais, mas sem se descuidar dos protocolos de proteção sanitária. Investiu-se na aquisição de EPIs para os profissionais que atuam nas escolas e Cmeis. “Estamos felizes com o retorno dos alunos e professores às salas de aula. O ensino presencial produz resultados melhores. Superamos as dificuldades e agora estamos nos preparando para um novo salto de qualidade no ensino”, afirma Rogério Cruz.

Tecnologia a serviço do ensino
Nos primeiros 15 meses, a prefeitura lançou projetos como Smart Educação, que tem objetivo de ampliar o acesso dos estudantes à tecnologia. O Smart integra ferramentas com a proposta de facilitar o compartilhamento de conteúdos e informações entre diversos atores da Educação. Disponibiliza, também, serviços de matrícula e acompanhamento dos pais por meio de plataformas digitais.

Com o Conecta Educação, a Secretaria de Educação está implementando, dentre outros serviços, o reconhecimento facial dos estudantes e das crianças matriculadas. Todas as 370 instituições de ensino terão acesso ao sistema. Por sua vez, o Aula Digital, em parceria com a Telefônica Vivo, distribuiu tablets para 170 escolas municipais. Ao todo, foram entregues três mil tablets, 170 computadores e outros acessórios para todas as escolas da rede.

Em outubro de 2021, a prefeitura inaugurou o primeiro Laboratório Maker de Robótica da rede pública de Goiânia, na Escola Municipal Alice Coutinho. Mais de 600 alunos utilizam o espaço. O programa está em ampliação, e a segunda escola a ter laboratório será a Escola Municipal João Vieira da Paixão. O projeto Wi-Fi Estudante - Professor é outra iniciativa da gestão, que promove a democratização do acesso à internet, e hoje atende 331 instituições educacionais de Goiânia.

Além disso, neste primeiro semestre de 2022, foram ofertadas 10.517 vagas de cursos de formação para professores e servidores administrativos que atuam nas unidades educacionais. “Ações formativas têm sido desenvolvidas com objetivo de subsidiar o trabalho pedagógico dos profissionais que atuam nas etapas da Educação Infantil, Ensino Fundamental e da modalidade EJA”, destaca o secretário municipal de Educação, Wellington Bessa.

Uniformes para 110 mil alunos
Recentemente, o prefeito Rogério Cruz apresentou kits de uniforme com tênis, meia, short, blusa, mochila e moletom, que serão distribuídos nas próximas semanas aos 110 mil estudantes matriculados na rede municipal de ensino. “A transformação da educação é compromisso do nosso Plano de Governo e passa pela ampliação de vagas e investimentos em tecnologia, infraestrutura, qualidade de ensino e valorização dos profissionais da educação”, afirmou, na solenidade.

A prefeitura também ampliou o projeto Horta Escolar, que promove o cultivo de hortaliças em escolas e Cmeis, estimula protagonismo, desenvolvimento infantil, e reforça conceitos de sustentabilidade e cuidados com meio ambiente. O programa está presente em 306 unidades de ensino. Somente em 2022, foram distribuídas 16.517 mudas de hortaliças. E, neste ano, a Secretaria de Educação lançou o Pomar nas Escolas', projeto desenvolvido em parceria com a Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma), que visa plantio de mudas de árvores frutíferas nas unidades de ensino.

Formação pedagógica
Nos últimos 15 meses, a Secretaria de Educação executou estratégias para combater a evasão escolar e promover melhorias na rede municipal. Com o programa Alfabetização em Foco, ampliou a formação dos professores que atuam nas turmas de quatro e cinco anos, por meio do desenvolvimento de métodos que ajudam crianças a desenvolver leitura e escrita.

A gestão também desenvolve ações para garantir os processos de recomposição, recuperação e aprofundamento da aprendizagem, por meio da formação continuada, para os professores pedagogos que atuam nos anos iniciais, e dos que ministram componentes curriculares de Língua Portuguesa e Matemática dos anos finais do Ensino Fundamental. A SME trabalha, ainda, para ressignificar proposta de atendimento aos estudantes com necessidades especiais e suas famílias, e prepara atualização da proposta de educação inclusiva.

Neste primeiro semestre de 2022, foram ofertadas 10.517 vagas para professores e servidores administrativos que atuam nas unidades educacionais. “As ações formativas têm sido desenvolvidas com o objetivo de subsidiar o trabalho pedagógico dos profissionais que atuam nas etapas da Educação Infantil, Ensino Fundamental e da modalidade EJA”, destaca o secretário municipal de Educação, Wellington Bessa.

Postar um comentário

0 Comentários